Pesquisa

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Um recado aos desigrejados



Cada vez cresce mais o número de crentes sem igrejas, são simpatizantes de Jesus, o Cristo, mas não suportam a ideia de participar de uma igreja.
Como tenho muitos amigos desigrejados conheço vários argumentos e até mesmo me identifico com alguns deles.
Todos eles perceberam em algum momento de suas vidas a singularidade da mensagem de Jesus, ou lendo a bíblia, ou através de uma experiência marcante na juventude.
Todos são unânimes em declarar que Jesus é único caminho e que sua proposta de vida é incomparável com qualquer outra proposta entre outras religiões.
Mas também todos sentem tremenda dificuldade de se envolver em uma igreja local, uns por terem vivenciado a terrível experiência de serem julgados ou descriminados por alguns religiosos na igreja; outros por se indignarem ao verem tantos líderes, principalmente na TV, com esse discurso da prosperidade, com uma santidade que não passa de marketing para enganar o povo; e ainda tem alguns que simplesmente não sentem a necessidade de ir na igreja toda a semana, sentem que é apenas uma rotina religiosa que faz pouca diferença no dia a dia, alegam que conseguem se “recarregar” sozinhos em casa lendo a bíblia e conversando com alguns amigos.
Eu entendo os desigrejados, até porque todos esses sentimentos rondam a minha alma, e já cheguei a pensar seriamente em deixar de ir na igreja por esses três motivos.
Mas acredito que viver desigrejado não seja bom para ninguém.
Poderia usar o simples argumento de que não é projeto de Deus para ninguém viver a vida sozinho, nem o próprio cristo fez isso, nem nenhum dos seus primeiros discípulos.
Mas não é apenas uma ideia bíblica, na pratica vejo que a fuga dos religiosos julgadores não gera uma vida sem julgamentos, pois fora da igreja temos muitas cobranças e muitos dedos apontados. Com um agravante, com menos pessoas ao lado para compartilhar as fraquezas e decepções. Sem contar com a nossa consciência que é a acusadora principal por não cumprirmos o que é certo.
Caímos também no terrível erro de generalizar todos os líderes religiosos como oportunistas e falsos, esquecendo que o líder (pastor) que é correto e vive a proposta do evangelho não fica fazendo auto marketing do tanto que é santo, pois aprendeu direto com Jesus que quando se faz uma boa coisa, que seja em secreto.
Esse tipo de líder, seguidor de Jesus, está em toda parte, menos na mídia, por isso você só o encontra indo passar um tempo ao seu lado, nas igrejas onde eles estão servindo. Os desigrejados acabam cometendo o erro que sempre condenaram nos outros, o de julgar e colocar injustamente todos no mesmo “saco”, e pior, vivem com essa culpa sozinhos.
E aos que além disso tudo vivem bem sem a rotina de participar toda semana de uma igreja local, acabam sendo enganados por eles mesmos, por não perceberem que não conseguem ter sozinhos a disciplina de procurar o Jesus que eles admiram, e vão se afastando lentamente de uma comunhão saudável e proveitosa com Deus.
Amam a proposta de Cristo, mas não suportam o seu corpo. Enxergam a incapacidade da igreja em ser boa, mas não enxergam a sua própria incapacidade de fazer o bem. Condenam a igreja por uma parte que é intolerante, mas não se condenam por não perceberem a intolerância do seus próprios corações.
Viver em comunidade não é uma proposta apenas para nos sentirmos melhor, mas para enxergarmos no outro que não somos quem gostaríamos de ser. Nessa experiência semanal de frustração o Espírito de Cristo nos transforma em pessoas melhores, mais parecidas com Ele.
Entendo os motivos dos desigrejados, mas não acredito que seja a melhor opção.
 Deus os abençoe.



domingo, 23 de novembro de 2014

0 Cristianismo não é moral, mas Ontológico




Texto base: “A isto, respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo que, se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus”. – João 3.3 ARA


Alguém já disse que “a diferença entre Deus e o homem não é moral, mas ontológica, pois pecado não é o que faço, mas o que eu sou”. Quando estudamos a história da igreja percebemos o quanto, aos poucos, a eclésia foi dando mais ênfase na “tradição elaborada por homens”, através de um rigor ascético, do que propriamente no ensino dos Profetas e Apóstolo, os quais trataram a conversão com base no “novo nascimento” e do “novo coração”.

Impor compulsoriamente as regras morais foi um artifício muito usado no decorrer dos séculos. Longas listas do que “pode” ou “não pode”; purificação através de ritos; purgação de pecados através da negação dos prazeres legítimos; tudo era utilizado para avaliar quem de fato era salvo ou não. A teologia cristã foi rarefeita por diversas vezes por conta disso. Alguns ensinos tinham por objetivo coagir as pessoas a não pecarem. Esta era a forma utilizada pela liderança eclesiástica para refrear os impulsos pecaminosos. Com isso muitos foram se distanciando do ensino escriturístico do “novo nascimento”, enveredando-se para os “preceitos e doutrinas de homens”. Como bem disse o Apóstolo: “Tais coisas, com efeito, têm aparência de sabedoria, como culto de si mesmo, e de falsa humildade, e de rigor ascético; todavia, não têm valor nenhum contra a sensualidade” (Cl 2.23 ARA). Infelizmente muitas denominações têm afastado as pessoas por conta dos “usos e costumes” a qual erradamente se referem por “doutrina”.

Quando analisamos o Ensino bíblico [a verdadeira e única Doutrina] a respeito do pecado e da salvação pela graça em Jesus Cristo, não é difícil de entender que Deus se compraz “em um coração contrito e quebrantando” ao invés de “sacrifícios feitos pelas mãos dos homens” (Sl 51.16-17). Muito mais importante do que sacrificar é obedecer, pois não é o exterior quem contamina o homem. É do coração que procede todo tipo de pecado. Somente um novo coração pode obedecer, pois a carne não está sujeita a lei de Deus, nem mesmo pode estar (Rm 8.7). O cristianismo não se trata de um sistema moral, mas de um novo nascimento. Não é aquilo que é ou deixa de ser lícito; mas do que convém. Não é algo tangível a ensinar: “não toque nisso”; “não proves aquilo”; “não toques aquiloutro”. Transcende isto tudo! O Reino é Paz e Alegria no Espírito Santo.

Mesmo correndo grandes riscos prefiro não usar da persuasão humana na pregação para coagir pessoas no que devem ou não fazer. Apenas exponho a Palavra e deixo a tarefa de convencer para o Espírito Santo. A pregação não é a exposição moral do que pode ou não pode. A pregação é luz nas trevas, simples e exclusivamente para conduzir o homem a examinar-se a si mesmo, e descobrir pelo crivo da Verdade, as intenções reais do seu coração enganoso e perverso. Não vai adiantar abrigar “vinho novo” em “odres velhos”. Ambos se perderão. O vinho novo precisa ser posto em odres novos. O Cristianismo é a mudança daquilo em que você se alegra. Posso me alegrar no meu moralismo e estar na condição de hipócrita - horando a Deus apenas com os lábios - mas com um coração longe dEle.  
Nossa ministração será mais eficaz no dia que ousarmos abrir mão de ensinos morais tentando guiar as pessoas através de cabrestos. A verdadeira conversão passa pelo teste da liberdade. Tenho a oportunidade de fazer algo, mas conheci algo muito melhor e que traz mais satisfação ao meu coração: a saber, “a comunhão com Deus”. A confissão de todo Cristão genuíno: “Para onde iremos nós se só Tu tens palavras de vida eterna”. O contrário também é verdade com o sujeito que ainda não nasceu de novo. Ele se reprime e não peca a princípio por temor aos homens e para cumprir o check-list de “santarrão”. Certamente, hora menos horas, a carne vai ceder!, e a demanda reprimida de pecados que havia naquele coração tornará seu estado muito pior do que o primeiro.

Ser bom moralmente para o cristão não é algo que exige esforço. É como os ramos de uma árvore; produz os frutos sem perceber. Todavia, é a raiz que sustenta os ramos. A figueira não pode produzir azeitonas e a videira produzir figos. Um “cristão” mau-caráter não é um cristão. Somos salvos pela graça, mediante a fé. A fé se evidencia pelas obras. Logo pelos frutos seremos conhecidos.
Não escaparemos do que disse Jesus: “se alguém não nascer de novo, não pode ver o Reino de Deus”. Os “usos e costumes” e a santidade que teve o crivo elaborado pela tradição humana é válida para o julgamento dos homens, mas diante de Deus, é “trapo de imundícia”. Pois o Senhor não vê como o homem vê. O homem analisa o exterior; o Senhor prova o coração. O reino de Deus não abriga gente de boa conduta, mas apenas aqueles que nasceram da água e do Espírito através de Jesus Cristo.

 Como bem disse John Wesley:
Uma pessoa pode ir à igreja duas vezes por dia, participar da ceia do Senhor, orar em particular o máximo que puder, assistir a todos os cultos e ouvir muitos sermões, ler todos os livros que existem sobre Cristo. Mas ainda assim tem que nascer de novo”.






domingo, 24 de agosto de 2014

Caminhos


A vida nem sempre é fácil.
Altos e baixos. Crises e bonanças.
Sorrisos e lágrimas.

Em um momento o vazio me faz refletir...
Refletir em meu próprio caminho. Minhas próprias escolhas; quase sempre tolas.
Aliás; são essas escolhas que me tiram a felicidade de viver, de amar, de recomeçar.

Quem realmente sou eu?
Perco minha identidade em ''meu'' próprio caminho.
Cada passo que dou sendo guiado pelo meu coração duro e frio, mais me afasto do caminho Santo.

Faço sofrer aqueles que me querem o bem. Odeio aqueles que me amam. Sigo por um caminho que faz de mim um escravo. Insignificantes, maus  e perversos. São assim caminhos traçados por um homem pecador, longe de Deus. A noite é muito mais longa, para aqueles cuja a alma seca anseia por água. Tão grande insensatez é tentar caminhar por caminhos onde não existem rios de água Viva. Insensatez é tentar caminhar por caminhos que não me levam a Deus.

Quando não existe palavras...
Quando não existe desculpas...
Quando não existe mais nenhum clamor ou desejo.

Deus continua a me olhar de um alto e grandioso Trono. Revestido de toda sua Majestade e Poder.
Ele já preparou o Caminho perfeito.
Ele já preparou Jesus!

Apesar de mim, e ainda assim...
Cristo me ama.

Precisamos de nos arrependermos, confessar e chorar por nossos pecados, para que novamente encontremos o CAMINHO, e assim perseverar até o fim.

Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim. João 14:6



por Alisson Bruno



terça-feira, 19 de agosto de 2014

Onde está o seu Coração? - Richard Baxter




E é apenas justo que nosso coração esteja em Deus, quando o coração de Deus está tanto em nós. Se o Senhor da glória pode inclinar-se tanto a ponto de fazer seu coração repousar em seres pecadores, feitos de pó, certamente seríamos persuadidos a pôr nosso coração em Cristo e na glória, e ascender a ele, que se digna a ser condescendente conosco, em nossos sentimentos diários!
Ó, se o deleite de Deus não estivesse mais em nós na mesma proporção que o nosso não está nele, o que deveríamos fazer? Em que situação estaríamos! Cristão, você não percebe que o coração de Deus está sobre você? E que ele ainda cuida de você com amor cuidadoso, mesmo quando se esquece de si mesmo e dele?


Você não o vê quando o acompanha com suas misericórdias diárias, movendo-se em sua alma e provendo para seu corpo, a fim de preservar ambos? Ele não o acolhe continuamente nos braços do amor e promete que tudo coopera para o seu bem? E ajusta todas as formas de lidar com você para seu próprio benefício?

E não ordena que seus anjos tomem conta de você? E você não consegue encontrar em seu coração um lugar para ele, pois está muito ocupado com as alegrias terrenas, a ponto de esquecer seu Senhor que não se esquece de você? Esse não foi o pecado que Isaías clamou, de forma solene, para que o céu e a terra testemunhassem contra ele? "O boi reconhece o seu dono, e o jumento conhece a manjedoura do seu proprietário, mas Israel nada sabe, o meu povo nada compreende" (Is 1.3).

Se o boi e o jumento desgarram-se durante o dia, eles, provavelmente, voltam para sua casa à noite, mas nós não elevamos nossos pensamentos a Deus nem uma vez ao dia.  Portanto, permita que sua alma ascenda até Deus e o visite todas as manhãs, e que seu coração se volte para ele todos os momentos.

Além dessa maravilha da qual falamos anteriormente, nosso interesse pelo céu e nosso relacionamento com ele não deveriam manter nosso coração ali? Ali, nosso Pai mantém sua corte. Nós não oramos: "Pai nosso, que estás nos céus!"? Ah! Crianças sem graça e indignas que se ocupam tanto com suas responsabilidades a ponto de não se importarem com seu Pai!


E há multidões de nossos irmãos mais velhos; há nossos amigos e nossos velhos conhecidos, cuja companhia na carne era-nos muito agradável, e cuja partida para lá tanto lamentamos! E isso não é um atrativo para seus pensamentos? Se eles estivessem ao seu alcance na terra, você os visitaria; e por que não os visita com mais freqüência em espírito; e não se regozija de antemão ao pensar que se encontrará novamente com eles ali?


Sócrates regozijou-se com o fato de que morreria, pois cria que veria Homero, Hesíodo e outros homens magníficos; e eu regozijo muito mais, pois tenho a certeza de que verei a Cristo, meu Salvador, o eterno Filho de Deus na carne que ele assumiu; e, além dele, também verei tantos outros homens santos e magníficos! Com certeza, se nossa casa fosse muito mais inferior, ainda assim nos lembraríamos dela, apenas por que Oras, o mesmo não acontece conosco em relação ao céu?Ali não é, de forma mais verdadeira e apropriada, nossa casa, onde habitaremos por toda a eternidade? Somos estrangeiros, e o céu é nosso país. Somos herdeiros, e aquela é nossa herança, uma herança incorruptível e imaculada, que não desaparece, a que está reservada para nós no céu. Ó, que nos importássemos com nossa herança e a valorizássemos pelo menos a metade do que vale!




terça-feira, 29 de julho de 2014

Se fosse por obras, onde estaria você? C.H Spurgeon




O maior conforto do pecador é saber que a salvação é pela graça. Se os homens fossem salvos por mérito, por boas obras, aonde estaria você? E aonde estariam os bêbados, os blasfemadores e os impuros? Aqueles entre vocês que amaldiçoam a Deus em seus corações e não O amam, aonde estariam?

Quando a salvação é inteiramente pela graça, sua vida passada, por mais impura que tenha sido, não é motivo para detê-lo de vir a Jesus. Cristo recebe pecadores. Deus escolheu alguns dos piores pecadores. Por que não então você? Ele recebe a todos que vêm a Ele. Ele não o lançará fora. Alguns chegaram a odiar a Cristo.

Eles O insultaram frontalmente. Mas tão logo que eles clamaram: "Deus, tem piedade de mim, um pecador!" Ele teve misericórdia deles. Ele terá misericórdia de você, se o Espírito Santo o guiar a buscar misericórdia. Não haveria esperança alguma para você se me fosse necessário lhe dizer que você precisa conquistar sua própria salvação à parte da graça.

Contudo, a salvação é pela graça. Se você está morto em pecados, existe vida para você. Se você está nu, existe vestimenta para você. Se você se sente arruinado, existe salvação completa para você. Que você tenha a graça para se apoderar da salvação de Deus.

Então, você e eu cantaremos juntos os louvores da glória da graça divina.



segunda-feira, 9 de junho de 2014

Amor Sublime Amor


Amor sublime amor...
 Tentar descrevê-lo seria minimizar sua grandeza.
 um sentimento? Creio que a priori não. Mas sim uma atitude vivenciada ainda que por poucos.
 Amor sublime amor...
 Demonstra a grandeza de um ser ainda que pecador,  atitude caracterizada por reações contrárias ao cotidiano. 
  
  Amor sublime amor...
Prazerosamente, observador, contemplador, instigador. Vivência-lo é admirar a criação divina e revolver a vida.     

Amor sublime amor...
 É o ápice do absoluto, é perceber o imperceptível diante uma dor.   

 Amor sublime amor...
 Sonhar e perceber uma realização onde o transcendente é simplesmente o amor. Amor esse descoberto, alimentado, processado, vivenciado. 

Amor sublime amor...
 É acreditar que ainda é possível amar, encontrar, estar com alguém especial. Não pelo que podemos ver mas no que podemos sentir só de estar ao seu lado. 

Amor sublime amor...
 Te encontrar será um prazer. Viver com você será eternizar o essencial. Perceber você será acreditar que amar é ainda possível. Pois existem pessoas que ainda não vivenciaram um amor sublime amor. 

'' Se pensarmos no amor como um sentimento ficaremos frustrados, quando não pudermos desperta-lo em alguém. Mas quando descobrimos que o amor é sobre tudo uma ação, estaremos prontos para usar as ferramentas em nosso poder para amar melhor''.     Gary Chapman.


por Adriano Gontijo




terça-feira, 20 de maio de 2014

O que fazer para receber o favor de Deus?


e eis que, aproximou-se Dele um jovem, e disse-lhe: Bom Mestre, que bem farei para herdar a vida eterna?Mt 19:26.
Muito se perguntam: o que devo fazer de bom para receber o favor de Deus em minha vida? Qual a condição para tal?

  • Obediência?

A obediência a Palavra não é a condição para recebermos o favor de Deus em nossas vidas, embora a obediência nos traga benefícios. É como diz as escrituras, aquele que transgride um dos mandamentos é culpado de todos os demais, ( culpado no mínimo, culpado no Máximo), “porque todos pecaram e destituídos estão da Gloria de DeusRm 3:23. “se dissermos que não temos pecado, enganamos a nós mesmo, e a verdade não está em nós”. I Jo 1:8.

  •    A penitência?

Às vezes nos enganamos ao fazermos sacrifícios, penitencias, promessas das mais variadas formas, e realmente acreditamos que podemos mover a mão de Deus a nosso favor, até mesmo porque fazemos tais coisas com fé de que funcionará. Porem o que realmente estamos fazendo é simplesmente tentando comprar um “favor imerecido”, ou auto-dignificar. Em síntese, estamos tentando barganhar com Deus. Chegamos a acreditar que podemos enganar a Deus desta forma. (estupidez humana).

Sendo assim, a única condição para recebermos o favor de Deus em nossas vidas é se render a “sublime Graça Divina”, não precisamos fazer absolutamente nada. Deus é soberano, e faz o que quer, quando e como quer. E tudo que Ele faz é bom perfeito e agradável, e sobre tudo para Sua glória.
Isso nos dá o direito de nos entregarmos ao pecado?



De forma alguma! Antes a Graça Divina nos constrange a obedecer todos os mandamentos do Senhor. “porque o Amor de Cristo nos constrange...assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é, as coisas velhas já passaram, eis que tudo se fez novo...e tudo isso provem de Deus, que nos reconciliou com sigo mesmo por Jesus Cristo, e nos deu o mistério da reconciliação, isto é, Deus estava em Cristo, reconciliando o mundo consigo o mundo, não lhes imputando os pecados, e pôs em nós a palavra da reconciliação... Aquele que não conheceu pecado, o fez pecado por nós, para que Nele fossemos feitos justiça de Deus. II Co 5:14-21


por Abraão Azarias


sexta-feira, 11 de abril de 2014

Pensamentos Subversivos


Século XXI. Seres humanos em evolução. Um processo que deveria acrescentar, mais somente diminui. Conceitos formados, intelectuais de sucessos, mídia. Uma exteriorização do aparente, onde o imanente desaparece dia após dia.

Seres condicionados a uma vida cheia de subterfúgios, correndo atrás do vento, loucos por algo que possa transcender o imaginário, na tentativa de preencher uma lacuna no coração e na mente, onde seus pensamentos se tornaram subversivos.

Subversivos por não compreender que grandeza em uma ótica espiritual, não é extensão. Mas sim uma percepção do equilíbrio dentro de uma realidade possível.
Pensamentos subversivos nos mostra a pequenez do homem moderno, sendo desfigurado a cada dia, sem a percepção da mesma, por não observar dentro de si a ausência de um ser(Jesus) que pode reverter tudo e toda ambiguidade numa vida que vale a pena ser vivida mesmo diante um mundo que se diz moderno.

Pensamentos subversivos ou rebeldes, nos fazem refletir sobre como temos andado neste mundo, o que realmente tem mais valor em nossas vidas. Se pessoas ou coisas.

Precisamos refletir a cada dia se os nossos pensamentos tem sido subversivos. Que esta desconstrução do ser não venha mais causar danos em nós. Que possamos fazer uma análise do nosso comportamento, que venhamos nos despir-nos de nossas fantasias que roubam nossa integridade, nossa capacidade de pensar, de analisar, de formar ideias. Capazes de produzir, concluir e imaginar. 

                               Tudo segundo a vontade de Deus, que é boa, perfeita e agradável.

                               '' Porque como imaginou na sua alma assim é'' Provérbios 23.7.

Somos o que pensamos que somos. Por isso pergunte para Deus se o que você pensa vem Dele.

 Amém.

Não tenha pensamentos que você não quer que Jesus ouça. (Max Lucado)




por Adriano Gontijo







sábado, 29 de março de 2014

Você vai Sofrer


Talvez essa seja uma afirmação pesada, mais é fato. Os seres humanos estão vivenciando uma inerte onde o materialismo ofusca os olhos de uma percepção de vida, a dor é certa.
Suportar a dor é um desafio a todos os seres humanos; onde o medo, a fraqueza, a inconstâncias nos sentidos tem ganhado um valor imensurável e tem levado várias pessoas a depressão, a angustias e todo tipo de problemas psicossomáticos. Se as pessoas entendessem que o sofrimento gera aprendizado, seriamos mais conscientes as realidades existenciais. Entenderíamos que a dor e o sofrimento é simplesmente uma reação das nossas más escolhas ou algo propício a todo ser existente. Sofrer faz parte de todas as circunstâncias da vida, porém o que diferencia minha reação diante delas, é saber que Nele(Cristo) está meu refúgio. (Salmos 9:9)

Para alguns o refúgio tem sido as drogas, o álcool, a prostituição, pornografia e etc. Caminhos que aos olhos deles parecem ser algo sustentável, mas como disse Salomão são ''caminhos de morte'' (Provérbios 16::25).

Dores, tristezas, problemas diferenciados, amarguras, decepções, toda sorte de sofrimento. Qual tem sido seu refúgio?

Ninguém está isento do sofrimento, é uma realidade que permeia os olhos da sociedade. Até mesmo nós, que professamos a fé em Cristo estamos sujeitos ao sofrimento. Sofrer não significa que Deus está longe ou apático a nós, pelo contrário nos fazem mais próximos a Ele.

Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo. João 16.33

O problemas maior é quando o sofrimento chega, muitos de nós não sabemos lidar ou suportá-los. Nossa atitude é determinante diante ao sofrimento. Escolho encarar e enfrentar a realidade vivenciada ou simplesmente escolho fugir e me esconder, o que não significa necessariamente resolvê-los. Viver é adentrar em um ciclo de altos e baixos, sorrisos e lágrimas, alegrias e tristezas. É ser moldado pelas experiências, sendo estimulado a superar desafios. Não como um super-herói ou um ser de outro mundo, mas sim viver uma vida humanamente em Cristo, sem pretensões e nem vanglórias, saboreando todos os sentimentos humanos. É aprender que vivendo o desgostoso sofrimento, descubro que a fonte de minhas forças está em Cristo Jesus. A maior vitória de um sofredor é avançar em direção as realidades da vida, me tornando mais experiente, paciente, esperançoso e perseverante. 

Nem sempre é fácil compreender o sofrimento, buscamos uma vida perfeita, em plena felicidade. A realidade nos mostra que não é bem assim. Que a dor e o sofrimento aceitando ou não chegará para todos nós, sem exceções.

O sofrer sempre fará parte de nossa existência terrena. Haverá noites, tempestades, mortes, desilusões e angústias. O necessário é nos apoiarmos nas promessas de Cristo, e ter em mente que chegará um dia, que enfim eu e você com certeza afirmaremos.


Nunca Mais Vou Sofrer!

E Deus limpará de seus olhos toda a lágrima; e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas. Apocalipse 21:4



por Alisson Bruno



sexta-feira, 21 de março de 2014

Consciência em Crise



''E, saindo Pedro para fora, chorou amargamente.'' Lucas 22:62

Espiritualidade subversiva ou rebelde. Assim tem se tornado alguns ditos espirituais. Foco de momentos que levam muitos ao declínio espiritual. Eu faço, eu posso, eu aconteço. Como que homens em uma crise de consciência.

Tempos trabalhosos, onde atos praticados inconscientes tanto entre cristãos como em não cristãos tem causado tantas tragédias físicas como espirituais. Aqui vemos a história de Pedro, história essa que nos fala de um homem honesto, porém fragilizado pelo medo; um homem em crise de consciência e até mesmo da própria identidade.

Entendendo consciência
Do latim; "conscietia" - saber com ou saber junto.Conhecimento que acompanha. Concordar com algo ou alguém, seu papel é concordar com o princípio estabelecido no âmago de seu espirito.Conhecimento, noção do que se passa em nós: ter consciência de seus deveres. Percepção mais ou menos clara dos fenômenos que nos informam a respeito da nossa própria existência.

Consciência é a parceira moral de Deus no homem que age como um agente de equilíbrio entre o bem e o mal. É aquela voz interior que impele a pessoa a fazer o que ela considera correto. É uma faculdade ou atributo do espírito humano, uma lei de moralidade abrangendo toda vida espiritual, moral, física, social e material.

Uma consciência em crise leva o ser humano a ser incapaz de reconhecer sua imperfeição.

Imperfeição está cauterizada na consciência de muitos ditos perfeitos. Homens medíocres, incapazes de reconhecer sua própria estupidez, enraizada em seu ego, narcisistas buscando se contemplarem em suas perfeições ilusórias, passageiras. Humanos numa verdadeira crise de consciência.

O que nos leva a uma crise de consciência?
-Quando não reconheço meus limites. Este o erro de Pedro. Achismo, soberba.

Talvez eu e você.

Vivendo uma vida onde pensamos que podemos viver sem diálogo com o próximo, auto-confiantes, rígidos nas áreas mais intimas do próprio ser, não respeitando os limites de um corpo frágil e temporal.
Precisamos renovar nossa mente a cada dia, manter nossa consciência limpa (Atos 24.16) a todo instante, perdoar não por meras palavras, mas atitudes. Dar mais oportunidades aos que conosco erraram, orar e vigiar mais (Mateus 26.41). Confessar nossos pecados a Deus (1 João 1.9). Se arrepender (Salmos 32.1-5). Pensar antes de agir, ajudar ao meu próximo, sabendo que próximo não é o que está perto, mas sim aquele que eu posso estar perto. Mesmo diante de tantas crises de consciência JESUS olha para nós (Lucas 22.61), com um olhar de misericórdia, amor e perdão. Daí entendemos que existe mais sentimento em um olhar do que em palavras proferidas.


Uma crise de consciência leva-nos a chorar amargamente, a oscilar em nossos desejos, a nos tornar vagarosos em nossos sentimentos, a agir de forma desonesta, por não solucionarmos os nossos problemas. Mas sim, seremos felizes. Quando confessarmos a Deus nossos erros e clamar por sua misericórdia, exercendo o mesmo amor e compaixão recebidas em prol da  humanidade sofrida por sua CONSCIÊNCIA EM CRISE.


por Adriano Gontijo



sexta-feira, 14 de março de 2014

O Evangelho Maltrapilho


Pensamos que a salvação pertence aos decentes e piedosos, aqueles que permanecem a uma distância segura dos becos da existência, cacarejando seus julgamentos sobre aqueles que a vida maculou.
Jesus, que perdoou os pecados do paralítico, reivindicando dessa forma autoridade divina, anuncia que convidou pecadores, e não os de justiça-própria, para sua mesa.

Jesus afirma com efeito, que reino de seu Pai não é uma subdivisão para os justos nem para os que sentem possuir o segredo de Estado de salvação. O reino não é condomínio fechado elegante com regras esnobes a respeito de quem pode viver ali dentro. Não; menos exigente, que compreendem que são pecadores porque experimentaram o efeito nauseante da luta moral.

A Boa-Nova significa que podemos parar de mentir a nós mesmos. O doce som da graça admirável nos salva da necessidade do auto-engano. Ele nos impede de negar que, embora Cristo tenha sido vitorioso, a batalha contra a lascívia, a cobiça e o orgulho ainda ecoa dentro de nós. Na condição de pecador redimido, posso reconhecer com qual frequência sou insensível, irritável, exasperado e rancoroso com os mais próximos. Quando vou à igreja, posso deixar meu chapéu branco em casa e admitir que falhei. Deus não apenas me ama como sou, mas também conhece como sou. Por causa disso não preciso aplicar maquiagem espiritual para fazer-me aceitável diante Dele. Posso reconhecer a posse de minha miséria, impotência e carência.

Viver pela graça significa reconhecer toda história da minha vida, o lado bom e o ruim. Ao admitir o meu lado escuro, aprendo quem sou e o que a graça de Deus significa. Pois a graça proclama a assombrosa verdade de que tudo é de presente.


trecho extraído do livro: O Evangelho Maltrapilho- Brennan Manning




terça-feira, 4 de março de 2014

Insensibilidade


E aproximou-se dele um leproso que, rogando-lhe, e pondo-se de joelhos diante dele, lhe dizia: Se queres, bem podes limpar-me.( Marcos 1.40)

Insensibilidades...

Impossibilidade de sentir dor. Assim são eles, os leprosos. Enfermidade cruel que leva o ser vivente a uma vida inundada de desconfortos, limitações, isolamentos, incompreensões, sonhos desfeitos. Uma vida que muitos parecem querer viver.

 E quer saber mais?

 Se queremos viver no mundo sem dor que peçamos a Deus uma lepra, pois estaremos imunes a dor. Imaginou o que seria de nós sem a dor, sem os sintomas de uma doença tratável?
Vejo hoje em dia a ingratidão de muitos até mesmo com relação a dor. Por pensarem que ela é algo cruel incompreensível, até mesmo um peso das mãos de Deus.
Mas pelo contrário, a dor faz parte da continuação da raça humana, o despertamento para algo que precisa ser melhorado. ‘’ o megafone de Deus para chamar nossa atenção’’ C.S LEWIS.

Não compreender a dor é se deparar com um tipo de situação que impede uma experiência de crescimento. A dor é necessária, faz parte de um processo real de continuação de dependência, de esperança, do estado onde o desejo de continuar é que prevalece. Por isso muitos se perdem no caminho da dor, pois estacionam nela, não compreendem algo maravilhoso criado por Deus que nos mostra as nossas limitações, a nossa dependência DELE, a nosso dependência em relação ao próximo e a percepção de que sozinho não consigo.

Às vezes vivemos como leprosos, não na doença em si, mas uma lepra na alma. Onde nos tornamos insensíveis a tantas coisas, sem perceber que estamos morrendo ainda que existindo. Pecados não mais reconhecidos, se conformando com opiniões e ideias alheias, falta de perdão, falta de amor, orgulho.

Você sabe descrever a sua?

 Se tudo fosse só alegria as pessoas não dariam valor na felicidade.

Então, tente compreender sua dor, não faça dela um refúgio, não pergunte por que, mas sim para que. Vivencie sua dor numa perspectiva de crescimento, algo que irá revolucionar ainda que tudo isso seja talvez incompreensível até então. Tente, persevere, lute e não desanime, faça como um certo leproso.
(Marcos 1.40-45).

Reconhecido por muitos como imundo, impuro, insensível no tocar. Desejou, lutou, clamou, confiou mesmo não podendo sentir Jesus pelo toque. O sentiu pela graça, pelo amor.

 E Jesus toca nele.

Talvez você esteja vivenciando tudo isso ou até mais. Entenda uma coisa, ainda que na sua insensibilidade você já não tenha forças, faça como o girassol, se prostre, reconheça a grandeza de Deus que faz até mesmo de um momento de dor, algo maravilhoso, sublime, experiência vivenciada. Se tiver que chorar, chore. Se sentir que gritar, grite. Mas entenda que a dor é apenas uma luz que brilha na vida de um ser que depende da própria dor para existir.


Que Deus nos faça compreendê-la.

Amazing Grace.

por Adriano Gontijo



domingo, 2 de março de 2014

Súplicas de um miserável


Senhor, mais uma vez me prostro diante de ti. Não tenho nada nas minhas mãos, minhas palavras somente refletem a total dependência que tenho. Cansado, angustiado, já não consigo dobrar meus joelhos. Não trago méritos Senhor. O que trago é uma vida faminta implorando por pão. Minha vida só se completa quando encontro a sua.

Me perco nos caminhos da vida, quando percebo já estou distante de Ti. Tenha misericórdia de mim! Tu és meu amparo, em Ti encontro o alivio que tanto procuro. Perdoa-me pela ingratidão, pelos erros, por não saber amar. Por achar que posso alguma coisa. Confesso Deus, nada posso sem Ti. Me encontre nesse momento, pois a tua graça é o suficiente para mim.
Como sou carente, dependente e pequeno. A minha alma suspira por Ti. Olha para mim, se compadeça de mim, oh Senhor! Sei que não mereço nada que venha das tuas mãos, seus cuidados e tua misericórdia me constrange.

Tu me conheces, sabe tudo ao meu respeito, inclusive aonde a dor é maior. As lágrimas são como palavras para Ti, e quando já não mais as tenho, no silêncio Tu me compreende. Me ensina, ó Deus, que Tu não tem necessidade de nada. E nesse nada eu me incluo. Tu me buscaste, embora não precise de mim. Não consigo te atrair, pois no meu ser não há nada que é digno de sua atenção. Eu te busco, porque sou completamente dependente, fraco e desprezível!
Me ajude nas minhas fraquezas, me fortaleça em meio as dificuldades e faz de mim uma pessoa melhor, refletindo a imagem de seu filho Jesus.


Amém.


por Alisson Bruno

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Os contrários da vida me fazem


Ah, Como lutei e relutei para entender tudo isso!

Contrários.O oposto, o inverso, parece que minha mente vai a pique diante de tanta loucura.
Passamos toda uma vida, conhecendo, aprendendo, estudando, sei lá. Decorando uma vida que pode dar certo diante das incertezas. Mas quase sempre nos frustramos, por pensar que felicidade é obter, ou ser intitulado por algum sobrenome.
Interessante que nos contrários da vida aprendemos com Jesus que felizes são os que choram ou os que ficam tristes estando com Ele, pois serão esses que receberão o seu consolo. Alguns tem sido consolados com presentes, viagens, compras etc; mas continuam tristes.
Jesus nos ensina nas bem aventuranças que os contrários da vida nos fazem, me dão sentido, que me tira de lugar nenhum para o rumo certo, onde não são as estradas retas que me tranquilizam, mas as curvas da vida que me ensinam princípios tão elementares. 
Diz o grande escritor Rubens Alves: ‘’ Ostras felizes não produzem perolas, pois para fazer uma perola, precisa ter dentro de si um grão de areia que a faça sofrer, sofrendo a ostra diz para si mesma, preciso envolver essa areia pontuda que me machuca com uma esfera lisa que lhe tira as pontas. Ostras felizes não produzem pérolas, pessoas felizes não sentem a necessidade de criar. O ato criador, seja na ciência ou na arte, surge sempre de uma dor. Não precisa ser uma dor doída.’’

Os contrários da vida me fazem quando aprendo com Jesus que ser nem sempre é estar, que vitorioso não é o que chega primeiro mas sim, o que persevera. Que maior não é o que tem muito, mas o que reconhece sua pequenez diante a um Deus tão grande valorizando o necessário. Quando aprendo a perder e perdendo eu não murmuro, pois reconheço o Deus que cuida de mim. Que se quero ser exaltado preciso me humilhar, se quero receber o perdão de Deus preciso perdoar.

Os contrários da vida também me fazem chorar diante do espelho, quando meus contrários me fazem refletir por que um Deus tão soberano me ama tanto assim. Isso me constrange, como disse Paulo (2 Coríntios 5.14).   E esse constranger me faz entender que nos contrários da vida é que torno a ser quem um dia pensei que era, não sendo nada diante de mim mesmo.
Por último os contrários da vida me ensinam a amar, amar no sentido verbal mesmo, pois aprendo a conjugá-lo da forma mais contrária humanamente falando, mas da forma mais real espiritualmente em Cristo vivendo. Pois o amor é um arte e pintá-lo nos contrários da vida é exercer tudo aquilo que Jesus mais requer de nós. Ser Humano.

"Qualquer que diga que é servo de Cristo deve viver como ele viveu". 1 João 2.6


Amazing Grace

por Adriano Gontijo




domingo, 16 de fevereiro de 2014

O outro evangelho


Não vejo com bons olhos as notícias em relação ao crescimento dos evangélicos no Brasil. Enquanto uns comemoram, vivendo em um conto de fada infantil, tenho muito a lamentar.
Lamento pois o que mais vejo crescendo é certamente o  "outro evangelho" do qual  Paulo nos havia alertado (Gálatas 1.8). Esse outro evangelho tem colocado o homem no centro, acariciando seus egos e arrastando mais e mais multidões, todos atrás de saciar seus desejos. Não existe quebrantamento, choro e nem conversão de vida, todos continuam a viver da mesma maneira, tentando maquiar seus pecados, vivendo em constante procura por aplausos. O importante é pisar nos outros, esfregar no rosto dos meus inimigos as bençãos que adquiri de Deus, passar com um "carrão" importado ao lado daquele que me ofendeu. Desfrutar e ostentar uma vida magnifica, passivos a dor alheia.

Um evangelho gospel, light e cheio de benefícios, induzindo as pessoas a viverem pensando em si mesmas, buscando seus próprios interesses e ganhos, assim formulando um deus em suas mentes que nunca existiu, pois nunca o conheceram.
Não examinam e nem querem saber a verdade descrita na palavra, engolem e acreditam em qualquer coisa que se vê ou que se ouve, se tornando em crentes analfabetos bíblicos.
O pior de tudo é acreditarem que vivendo assim estão glorificando e amando a Deus, sem saber que a maior marca de um cristão é o seu amor ao próximo e a dedicação na palavra. (Gálatas 5.14) (João 8.31).

Hoje muito se ouve palavras como restituição, prosperidade, poder e vitórias. Mas onde está o arrependimento e o nascer de novo pregado por Cristo?
O Evangelho de Cristo confronta o homem, arrancando todo mérito, abrindo seus olhos para a realidade. É um evangelho sofredor e estreito. Onde ganha aquele que perde, feliz quando se chora e primeiro de todos quando se torna o último.
Jesus nunca pregou oba-oba. Suas palavras eram verdadeiras, confrontava os pensamentos e ações, assim  levando pessoas ao arrependimento e mudança de caráter.

Porque se alegrar se é tempo de chorar por nossas misérias? (Tiago 4.9)
Porque comemorar se é tempo de  arrependimento? (Atos 3.19)
Porque gritar por benefícios se é tempo de chorar por misericórdia? (Lamentações 3.29)

Deus não precisa de nenhum de nós, não existe nenhuma formula mágica, campanha ou oração que venha fazer de nós aceitáveis diante Dele. Se não for o evangelho de Cristo, nada mais resolverá!

"A única esperança para essa geração é o arrependimento"


por Alisson Bruno




quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Não conhecemos o outro, imaginamos



Mutilado, estagnado, perplexo, assim me encontro nesse mundo surreal, imaginário.
Onde me encontro com máscaras todos os dias principalmente quando olho no espelho, envergonhado comigo mesmo, mas também com uma humanidade rebelde, ansiosa por uma vida supérflua, sem sentido.
Indo a lugar algum, me encontro de volta comigo mesmo, lutando pelo real, pelo absoluto dentro de uma normalidade plausível, moderada e equilibrada.

Imaginário, ilusório, ideias formadas por mentes carcomidas pela vaidade, seres robotizados pelo evolucionismo, que mais individualiza que propriamente une, humanos presos em suas mentes fragilizadas, improdutivas, presas em seu próprio ser.

Não conhecemos o outro, imaginamos. Mas podemos agir diferente, primeiro com a gente mesmo, não sendo ignóbil com meu próximo, mas um ser repleto de amor, não por que o imagino diferente, mas porque faço das diferenças a totalidade da vida.

E nessa totalidade não me perco nas frustrações do imaginário. Definimos isso em misericórdia do qual somos agraciados a cada amanhecer. ( lamentações 3.22,23)

‘’Não enxergue no outro aquilo que você vê, mas no que poderá se transformar’’


Amazing Grace

por Adriano Gontijo




segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Persevere no Caminho


Não estou bem! Tenho coragem para assumir.
As inconstâncias me fazem fraco. Esgotado!
O quero somente nesse momento é ouvir a doce e mansa voz de um Deus que em situações como essas sabe me encontrar.

Ele me encontra em meio a solidão de minha alma.
Ele me encontra em meio a fragilidade e dependência do meu ser.
Ele me encontra quando já não tenho forças para continuar!
Ninguém entende, ninguém compreende um coração que luta todos os dias para conseguir pulsar pela vida.

Vida?
Ela só é completa quando encontro um amor que não é definido por palavras. Mas tudo bem, amor não se define, não se explica, somente se aceita. E essa é a minha única opção diante Dele. Aceitar.
 Um processo de conhecimento, perdas, novidades e frustrações, a cada dia aprendo que sozinho não consigo prosseguir. 

Sou tão carente de Deus, tão necessitado. Sou um mendigo a implorar por pão. Não tenho nada, e necessito de TUDO.  Religiosidade e tradicionalismo não são o suficiente para mim.
Seu sublime amor atinge onde a dor é maior. Sua maravilhosa graça, me alcança no mais profundo do meu ser. Constrangido estou Jesus. Porque a todo instante sou alvo do teu  amor. A minha vida se resume em perseverar, pois não posso parar. Tenho que continuar mesmo nas incertezas e dúvidas que encontro durante a caminhada. Deus não tem necessidade de nada. Se nada é necessário para Ele, então também ninguém é necessário, e esse ninguém sou eu. Ele me busca, embora não tenha necessidade de mim. Eu o busco porque preciso Dele, pois se vivo, movo e existo; é expressamente por tua infinita misericórdia.

Perseverança é uma virtude que todo cristão deve conservar. Prosseguindo rumo a terra prometida, rumo ao lugar de descanso, onde todas as nossas lágrimas serão enxugadas para sempre. Jesus sempre foi honesto e não omitiu nada pra ninguém. Ele não disse que seria fácil. Mas nos garantiu sempre a sua companhia.

E eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém
 (Mateus 28.20b)


Mas aquele que perseverar até ao fim, esse será salvo (Mateus 24.13)

Que Deus nos ensine a perseverar!

por Alisson Bruno



quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

É Preciso Saber Viver

Disse Jesus: “Se queres porém entrar na vida...”. Mateus 19.17
 


Quem espera que a vida
Seja feita de ilusão
Pode até ficar maluco
Ou morrer na solidão
É preciso ter cuidado
Pra mais tarde não sofrer
É preciso saber viver
(Erasmo Carlos e Roberto Carlos)



Imaginem isso em prática, na minha e na sua vida.
Vida simples, que transcende um olhar, percepção da pureza, a beleza do imanente.
Vida de prazeres vividos e não apenas dias existenciais, mascarados por uma falsa modéstia, pretensão da imagem exteriorizada, das quais muitos, senão você vive hoje.

Por pensar que vida bela  está no acúmulo ou quantidade de algo. Você precisa tirar suas máscaras e reconhecer que precisa mudar a forma de viver. Se você está lendo é porque a tempo de mudar.

Quantas famílias destruídas, casamentos, relacionamentos inconstantes. Imaturos. Por uma não percepção do real, do racional, do possível. Isso tem sido algo horrível na vida do ser humano que não vive de possibilidades e sim de certezas.

‘’ é a possibilidade que me faz continuar e não a certeza’’

Estresses, cansaço mental, depressão etc.
Quantas doenças devastadoras simplesmente por não compreender a vida.
Se queres porém entrar na vida, aprenda a perder, renuncie o que não te acrescenta, e acrescente o que pode te levar a maturidade, observe as borboletas, sinta o vento, ame independente das circunstâncias e terás uma vida plena aqui. E com Cristo Senhor nosso, uma vida eterna.

Amém!


‘’ Há pessoas que não vivem, mas sofrem a vida.’’ Karl May

Amazing Grace

por Adriano Gontijo

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Ainda há Esperança


Momentos. A ilusão de se ter algo. Vidas desesperadas, a procura de uma fagulha de esperança. Talvez essa seja a palavra que falta em muitos corações, não a palavra em si mesma, mas a expressão em virtude e essência.
Nos vemos totalmente inertes diante de situações que fazem de nós como barcos a deriva, sendo levado e arrastado pelos ventos e ondas da vida. Talvez não queira admitir ou não tenha muita coragem para isso. Mas bem sei que se procurar essa esperança dentro de mim, não encontrarei. Esse é um momento de desespero, quando sinto que a esperança não faz de mim forte, me derreto em lágrimas. Muitos de nós, nos tornamos desesperançados e profundamente abatidos. Medo e desespero é que se vê em vidas vazias. Sem Jesus ao meu redor, tudo se torna escuridão.
Em quem eu espero? Onde estará o alivio que tanto procuro?

 ESPERANÇA. Sentimento esse que nos fazem caminhar um pouco mais. Tentar um pouco mais. Olhar para onde não vê nada. Essa era a situação dos discípulos em meio ao mar. Sozinhos, com sua alma em total desespero. Procuravam por alguém, mas o que se via era somente escuridão. Por mais alto que gritassem, ninguém os respondia. Suas orações intensas não foram suficientes para que o socorro viesse. Se é que ainda tinham ânimo para tais orações. (Mateus 14.22-27)
Eles encontraram Jesus no meio de seus medos e temores.
Somos eu e você ali. Refletidos em cada rosto desesperado, em cada palavra sussurrada, em cada clamor, se vendo diante do fim. Onde estará a ESPERANÇA?

São nesses cenários de nossas vidas, que a esperança brota. Talvez procuramos Deus fora da tempestade, mas é ali, justamente em meio ao desespero que o encontramos. É em meio as dúvidas, ao medo, ao caos, ao choro. Nos deparamos com Ele, caminhando em nossa direção. Ele sabe como estou, por isso Ele veio. Não me abandonou sozinho, diante do difícil mar.
A Esperança, nasce em meio ao desespero. A mais profunda oração nasce de um coração desesperado e pobre. E muitas vezes as situações desesperadoras é um lugar perfeito para desfrutar da comunhão com Cristo. Vivemos em um século onde todos tem se vangloriado cantando, se alegrando e dizendo que conhecem a Jesus. Mas para conhece-lo é necessário passar pelas tempestades da vida e ter a Esperança somente em seu caráter imensurável. (Romanos 15.13)

Você só descobre a beleza de uma flor, quando os galhos ao seu redor estão sem vida. Assim é a esperança que brota em meio as adversidades.
É melhor estar na tempestade na companhia de Jesus, do que estar em terra seca sem conhecer seu verdadeiro amor.

Creia, ainda há esperança, apenas continue olhando para Jesus! (Hebreus 12.2)

Por Alisson Bruno



quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Tomé, um homem de Fé (parte 2)


Tomé sempre foi hostilizado e apontado como um exemplo de um homem sem fé. Temos a ignorância de tirar conclusões precipitadas somente através de uma passagem, estamos muito envolvidos com a tradição, prontos para apontar o dedo, sem antes conhecer a história. Não analisamos ou examinamos tudo, aliás esse é um grande problema atual que afeta a muitos, que não se dispõe a estudar a Bíblia. A interpretação e o estudos das escrituras não se baseia somente em uma só passagem bíblica.
Vemos com grandes olhos Pedro, Tiago, João que são os mais populares. Mas quando olhamos para Tomé, vemos um homem sem fé e fraco. Estamos errados. Tomé nos demonstra uma grande amizade com Cristo. Exemplo de um homem que lutava contra si todos os dias em busca das respostas que sua alma ansiava em encontrar. Exemplo de homem que amava seu Mestre e demonstrava toda sua sinceridade e honestidade para com Ele. Diferente de nós, que amamos esconder nosso eu, nossas vontades e até o nosso caráter diante de Jesus.

Será que hoje temos coragem de morrer com Cristo? Tomé teve.
(Em João 10.22) Jesus estava em uma festa; enquanto passeava pelo Templo os judeus o rodearam e começaram a fazer lhe perguntas. Como sempre Jesus os respondeu com grande autoridade, furiosos eles pegam em pedras e o ameaçam o matar ali mesmo. Jesus escapa juntamente com seus discípulos, partindo para as proximidades do rio Jordão, ficando alguns dias por lá. Sabendo da notícia de que Lázaro estava morto, ele decide voltar. Mas para voltar eles teriam que passar por Jerusalém, para então chegar até Betânia, cidade onde Lázaro estava sepultado. Assustados os discípulos o lembra que a alguns dias atrás os judeus o tentaram matar e todos temem em voltar.
Quem fala mais alto no meio dos doze, não é o autoritário Pedro, nem mesmo o que dissera que era mais amado, João. Foi TOMÉ, o que todos tacham por sem fé, levanta a voz e grita alto.” VAMOS MORRER COM ELE TAMBÉM’’. Esse era o sem fé? Sinto me pior do que ele.
Muitos não querem abrir mãos de suas próprias vidas por amor a Cristo. Amamos demais nossos próprios prazeres, vontades e interesses. Para Tomé, Jesus era tudo que ele tinha, era seu amigo e companheiro, iria com Ele para onde quer que fosse, pois Tomé entendera que a salvação se encontrava em Jesus, e a vida sem Ele era pior que a morte. Estamos dispostos a seguir Jesus por interesses e benefícios, isto é fácil. Agora segui-lo até a morte, tem que ter muita fé!

Tomé desejava encontrar o caminho.
 (Em João 14.5), Ao ouvir de Jesus que não ficaria por muito tempo com eles, Tomé se entristece, e quer saber o caminho para encontrar Jesus novamente. Só ele teve a coragem de fazer a pergunta que era decisiva para todos. Ele perguntou porque estava prestes a perder um amigo, e não queria passar o resto de sua vida longe dele. Ele amava muito a Jesus, e não queria voltar à vida que tinha antes.Uma vida cheia de caminhos tortuosos e falsos. Penso na grande alegria que penetrou no coração de Tomé, por saber que o seu amigo era o seu caminho, sua verdade e sua vida.

Eu e você estamos interessados em que caminho seguir? E para seguir a Cristo é preciso pisar onde seus pés pisaram, tocar onde suas mãos tocaram e olhar para onde ele olhava. E você vem me dizer que Tomé não tinha fé? Somos piores do que ele.

Todos citam a passagem de João 20.29, para justificar a ideia da incredulidade de Tomé. Mas vamos lá:
(Marcos 16.9-15) e ( João 20.20,21). Todos os outros discípulos também duvidaram da ressurreição de Cristo.Todos estavam reunidos com medo dos judeus, então Jesus aparece no meio deles e os saúdam com a Paz. Porém nenhum deles demonstrou reação alguma, foi preciso Jesus mostrar as marcas nas mãos e em seu tórax para que eles cressem. Marcos ainda foi mais enfático e nos diz que o próprio Jesus também os chamou de incrédulos e duros de coração.(Marcos 16.14)

Naquela ocasião Tomé não estava juntamente com eles, talvez o desespero e a dor o fizeram a chorar longe dali. Quando retorna, os outros contam que viram ao Senhor, ele sem saber o que pensar e desesperado por uma esperança, quer ver Jesus, e não somente ver, mas tocar em suas feridas.
Que maravilhoso desejo de uma experiência e uma comunhão maior com Jesus. A esperança de rever seu amigo o faz suspirar. Depois de oito dias, talvez os oito dias mais angustiantes na vida de Tomé, Jesus novamente aparece no meio deles. Voltando somente e especialmente para falar com Tomé, que desfruta de uma comunhão maior que os demais, pois somente ele toca em suas feridas.
O termo que Jesus emprega ‘’não sejas incrédulo’’. Se refere a uma fé vacilante e inconstante. Para Jesus, Tomé precisaria agora de uma fé firme, pois os acontecimentos a se seguir seriam de grandes batalhas, lutas e dores, pois o cristianismo entraria em choque com os Judeus.

A fraqueza de Tomé fez ele se aproximar de Cristo. Ele foi sincero e muito honesto com suas emoções. Não escondeu nada de ninguém e falava abertamente de seus sentimentos. Não se misturava em meio as multidões, desejava sempre buscar verdades e uma transformação em seu caráter.
Se ele fosse um homem sem fé, porque então estaria com Jesus, mesmo sofrendo retaliações e ameaças? Poderia muito bem tê-lo o abandonado, pois oportunidades não faltaram. Antes esteve com Cristo em todas as situações. Mesmo nos momento mais difíceis, não abandonou seu amigo e Mestre.

Diferente de nós, que o abandonamos por qualquer coisa.


 Que Deus nos fortaleça!

Por Alisson Bruno