Pesquisa

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Para se Alegrar é Preciso Ouvir


(João 3.29)

Aquilo que nós ouvimos diz muito a respeito de quem somos, a grande massa sempre opta em ouvir algo que venha acrescentar ou acariciar o “eu interior”. Todos tem uma grande necessidade em ouvir, pois ouvir vai muito além de escutar. Ouvir nos faz pensar, não nos induz a opiniões precipitadas e nos molda a mensagem falada.
É bem verdade que multidões preferem acreditar no que se vê, do que se ouve, e neste frenesi vivemos em uma sociedade que é atraída pelos olhos. E com isso surge a aposta da mídia televisiva juntamente com o consumismo onde o importante é apresentar alguma coisa que venha satisfazer o olhar, cria-se em um grande desejo em buscar, ter e ser aquilo que se vê. Os olhos famintos sempre encontram descontentamento, pois o desejo dos olhos somente reflete o que existe no coração (Mt 6.22).
O certo é que o desejo dos olhos dos homens sempre os levarão ao vazio da alma, pois sem o alvo certo sempre haverá uma lacuna a ser preenchida.
O triste é que em nosso meio cristão acontece a mesma coisa, há uma busca desenfreada pelo o que é visto. E nem sempre essa busca gera vida, pelo contrário nos tornamos máquinas que somente é abastecida com os olhos. Não importa a origem, o importante é se ver, busco ver para crer, se não vemos alguma coisa acontecer, algo extraordinário, então presumimos que Deus não está no negócio, não valorizamos as pequenas coisas, nos preocupamos com as grandes e não percebemos que a vitória e os cuidados do Senhor tem sido realidade todos os dias. Quando não vivemos com esse pensamento nossa vida se torna uma frustração, logo vivemos em uma busca constante por milagres, bênçãos palpáveis e benefícios, resultando em cristãos que tem a fé gerada naquilo que se pode ver.
 Com João Batista aconteceu diferente, sua alegria havia se cumprido em ouvir a voz de um homem. Parece estranho, porque ele estava rodeado de acontecimentos maravilhosos, ele se deixou influenciar pelo que ouviu naquele momento e não o que tinha visto, e ele tinha motivos de sobra para se alegrar com os acontecimentos.
Em meio ao deserto, em um lugar seco e quente, propicio para trazer desânimo, João Batista ouve uma voz, e essa voz deixa seu coração palpitante e cheio de alegria. Não foi simplesmente uma voz. Não foi a voz dos pregadores orgulhosos e presunçosos. Não foi a voz de religiosos acusadores. Não foi a voz de mercenários com palavras vazias.
João em meio ao deserto ouve uma doce e maravilhosa voz, envolta em esperança e fé, trazendo refrigério diante de um grande deserto. O prometido havia entrado em cena e era necessário ele sair, porque  Jesus ia crescer.
A fé verdadeira e genuína é gerada quando nos disponibilizamos em ouvir Jesus, quando paramos e ouvimos suas palavras, quando dedicamos a ela, quando meditamos e tiramos um tempo para deixá-la fazer o seu papel em nossas vidas (Rm 10.17). Conhecemos mais a Jesus quando o ouvimos e não somente quando vemos seus milagres. Muitos, antes de terem um encontro com Jesus pessoalmente tiveram um encontro com sua palavra e seus ensinamentos, e foi nesse momento que a fé foi gerada em seus corações (Mc 3.8- 5.27) (Lc 7.3).

O que se vê é passageiro, mas o que se ouve permanece em nossos corações, e então passamos a crer, e essa crença na palavra de Deus nos induz a sermos moldados em relação a ela. Muitos judeus viram os milagres de perto e mesmo assim permaneceram com suas vidas na mesma mediocridade de sempre. O que eles precisavam era de  “ouvir” as palavras que traziam vida e não os milagres que endureciam seus corações. Se dedique em ouvir mais a palavra de Deus, tire sua bíblia da estante e comece a colocá-la em seu coração, abra suas páginas e então ela abrirá seu entendimento, queira conhecê-la e então você irá perceber Jesus se revelando de uma forma maravilhosa em sua vida.

Alisson Bruno

Um comentário:

  1. Muito interessante sua abordagem, saindo do campo sensorial para o cognitivo. Me pareceu uma estratégia bem didática fazer um paralelo do que se vê / ouve com o que se aprende (ou não) da Bíblia. Muito bom! ^^

    ResponderExcluir